X
X
 

Pick-upau online
Charles Darwin+

Inglaterra comemora os 200 anos de Darwin

Darwin terá uma festa em comemoração a seus 200 anos. Sua principal obra “A Origem das Espécies” (1859) estará no centro das comemorações. Esse livro é o divisor de águas do século XX, considerada a principal ideia de ciência e história.

Será lançado em Londres, um reedição ilustrada por Damien Hirst, artista britânico contemporâneo. E dará inicio a série de programações que se estenderá até o final do ano. Em Oxford, haverá um debate entre o evolucionista Richard Dawkins e o bispo Richard Harries.

Novos estudos mostram diversos aspectos da vida do naturalista. Dois títulos se destacam: o primeiro é “Darwin's Island - The Galapagos in the Garden of England" (A ilha de Darwin - Galápagos no jardim da Inglaterra), de Steve Jones. O geneticista mostra como passagens da vida pessoal do cientista influenciaram suas idéias. Por exemplo, Darwin casou-se com uma prima, com quem teve dez filhos, alguns com sérios problemas de saúde. A partir dessas tragédias familiares, o cientista passou a refletir sobre a possibilidade de o cruzamento sexual entre parentes gerar prole deficiente.

Reprodução

O segundo é "Darwin's Sacred Cause - How a Hatred of Slavery Shaped Darwin's Views on Human Evolution" (A causa sagrada de Darwin - como o ódio à escravidão moldou as ideias de Darwin sobre a evolução humana). Nele, os historiadores da ciência Adrian Desmond e James Moore ressaltam sua faceta abolicionista. Nenhum dos dois livros tem previsão de edição no Brasil.

Haverá também exposições e painéis em diversas universidades e cidades britânicas. Bob Bloomfield, que comanda o projeto Darwin200, disse que esses eventos irão privilegiar o legado científico de Darwin, e num segundo plano o impacto que causou em outras áreas.

"A teoria da evolução provocou uma mudança tão radical no pensamento humano que se expandiu para as artes e outras áreas. Lastimável que hoje tenha sido mal apropriada e usada como instrumento em debates sobre moral filosófica, política e religião", declarou.
Natália Souza/Pick-upau
Da Folha